Artrite idiopática juvenil

Artrite idiopática juvenil: sintomas e tratamentos



De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a artrite idiopática juvenil (AIJ), que também pode ser chamada de artrite reumatoide juvenil, é uma enfermidade de caráter crônico e inflamatório, que pode atingir articulações e órgãos diversos, como os olhos, o coração e a pele.

Como o nome pode sugerir, essa doença tem como principal manifestação clínica a artrite, que gera dor variável, aumento de volume e quentura nas articulações atingidas e dificuldade de locomoção.

Quais são as causas para o desenvolvimento da artrite idiopática juvenil?

Importante dizer que a AIJ não é uma doença única. O termo é bastante abrangente, na verdade, e está relacionado a uma série de artrites crônicas que podem atingir crianças e adolescentes.

Existem 3 tipos mais comuns, como será explicado a seguir.

Pauciarticular

Nesse caso, a criança afetada manifesta o comprometimento de até 4 articulações. 

Os joelhos e os tornozelos costumam ser os mais afetados, embora os olhos também precisem de atenção.

Poliarticular

Como o nome sugere, há um bom número de articulações envolvidas: tornozelos, cotovelos e punhos tendem a doer.

Pode causar febre alta e persistente.

Sistêmico

Caracteriza-se pela presença de artrite associada à febre alta, com erupções cutâneas, inflamação pulmonar e aumento do fígado e do baço.

Ainda não sabemos quais são as razões para o desenvolvimento dessas enfermidades.

Acredita-se, no entanto, que fatores genéticos, estresse emocional, traumatismos articulares e processos infecciosos estejam envolvidos nessa manifestação clínica.

Felizmente, não é uma doença transmissível, assim como não é capaz de afetar a sociabilidade das crianças. 

Estimula-se, na verdade, que os pacientes desenvolvam uma rede de apoio e estejam presentes em atividades corriqueiras e importantes.

Quais são os sintomas?

Depende bastante. Há crianças, por exemplo, que não sentem dor nas articulações, embora manifestem inchaço e vermelhidão intensa.

Há também quem sinta bastante dor, especialmente ao acordar, e, assim, tenha dificuldade para sair da cama (num processo que chamamos de rigidez matinal).

Febre alta por mais de 2 semanas, fraqueza nas pernas (que pode gerar quedas ou dificuldade de locomoção), dificuldade para mover as articulações e rigidez nas pernas também podem ocorrer nos casos de AIJ.

Existe tratamento para a artrite idiopática juvenil?

O tratamento depende do caso em questão. Como cada paciente é único e a doença possui diversas manifestações, é preciso que as técnicas utilizadas para abrandar as dores e evitar deformidades sejam bastante específicas.

Em geral, o médico recomendará o uso de medicamentos, como anti-inflamatórios, corticosteroides, imunossupressores e remédios para controlar a dor, e solicitará ao paciente que faça sessões de fisioterapia.

Há alguns profissionais que podem sugerir, como tratamento complementar, sessões de acupuntura sistêmica ou auricular. Há relatos de que o tratamento é capaz de diminuir dores localizadas, embora ele não seja o suficiente para contornar o quadro existente e impedir o desenvolvimento da condição.

O tratamento psicológico, especialmente em crianças bastante jovens, é aconselhado. Como é uma doença que causa dor e promove algumas limitações físicas, pode ser difícil, de início, lidar com ela. 

Com o passar do tempo e o acompanhamento médico, no entanto, a tendência é que o paciente de artrite idiopática juvenil compreenda que é possível viver com boa qualidade de vida, mesmo com o problema em questão.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Comentários
Avatar

Posted by Dr. Henrique Rios