Dr. Henrique Rios

Quando procurar um ortopedista?

Quando procurar um ortopedista?

Uma das queixas médicas mais comuns entre a população brasileira é a sensação constante de dor nas costas e nas articulações. A melhor forma de tratar esses sintomas é se consultando com um ortopedista, que é o médico especialista no assunto. Você já se consultou com esse especialista? A ortopedia é uma das especialidades mais populares da medicina, sendo requisitada por pessoas de diferentes faixas etárias.

O que faz um ortopedista?

A ortopedia é a área da medicina que se dedica ao diagnóstico e tratamento de lesões e patologias que acometem o sistema musculoesquelético. Ela é a especialidade que cuida de todos os problemas que envolvem os ossos, músculos, tendões, ligamentos e articulações. Como você percebeu, é muito ampla a atuação desse profissional. Por isso, além desta especialidade, é comum encontrar ortopedistas com subespecialidades. Cada área do sistema musculoesquelético tem a sua especialidade, como: joelho, coluna, quadril, ombro e cotovelo, mão e microcirurgia e pé e tornozelo. O especialista em ortopedia está preparado para analisar as queixas dos pacientes, diagnosticar as causas, prescrever medicamentos, indicar tratamentos e até realizar procedimentos cirúrgicos.

Quando preciso procurar esse especialista?

A resposta é bem abrangente. Um ortopedista deve ser consultados nos casos de incômodo na coluna vertebral, no joelho, quadril, membros superiores, pé ou tornozelo. A seguir, irei especificar as principais causas que são analisadas por nós.

Dor nas costas

Esse talvez seja principal queixa nos consultórios. Afinal, quem nunca sofreu com dor nas costas? Porém, em alguns casos, não há a necessidade de tratamento, pois pode desaparecer em poucos dias. Quando permanecem por um longo tempo, indicam a presença de algum distúrbio. A dor nas costas costuma ocorrer em função de uma lesão muscular, que pode ser causada pela postura inadequada, pelo levantamento excessivo de peso ou por um mau jeito. A consulta médica deve ser realizada o quanto antes para evitar que a dor se transforme em uma incapacidade física. Existem diversas patologias que apresentam esse sintoma, sendo mais frequente, a lombalgia, artrose, hérnia de disco e escoliose.

Dor no quadril

A dor no quadril é um sintoma frequente em esportistas que estejam na faixa etária de 40 a 50 anos de idade. Em alguns casos, essa dor pode refletir da virilha ou ter relação com problemas mais graves. Um desses problemas é a síndrome do piriforme, uma inflamação que acomete o nervo ciático. Outra possibilidade é a artrose no quadril, um desgaste da articulação da região.

Doenças crônicas

As pessoas que possuem histórico familiar de alguma doença crônica que afete o sistema musculoesquelético precisam ser avaliadas por um especialista em ortopedia. Algumas doenças se agravam com o avanço da idade, tais como, a osteoporose e a osteopenia. Nesses casos, o médico pode realizar uma densitometria óssea para avaliar o grau de comprometimento das estruturas do paciente. Outras doenças crônicas comuns são a tendinite e a bursite, que podem afetar tanto as mãos quanto os ombros e joelhos.

Traumas

Na ocorrência de traumas de natureza ortopédica, é imprescindível que a vítima se consulte com um ortopedista. Em alguns casos, quando não há um cuidado por parte do paciente, os sintomas do trauma voltam a serem sentidos no futuro, mesmo após um longo período. Quando o tratamento é feito de forma correta, não é normal essa recidiva. Por isso, é necessária uma imediata avaliação ortopédica. Esses são os sintomas mais recorrentes e que indicam a necessidade de procurar um ortopedista para ser avaliado. Quer saber mais? Clique no banner e saiba mais.
Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
Dor lombar – o que pode ser?

Dor lombar – o que pode ser?

É comum ouvir as pessoas reclamarem de “dor lombar”. Sentir dor nessa região das costas é uma causa frequente de visitas aos consultórios médicos por aí. A má notícia é que ao longo da vida 7 em cada 10 pessoas terão esse problema, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ou seja, parece não ser tão fácil escapar disso. Sendo a grande maioria das dores nas costas, resultado de lesões e distensões musculares, em consequência de movimentos bruscos, o que se pode imaginar é que todos nós estamos facilmente suscetíveis a essa condição. No entanto, há uma boa notícia. Inegavelmente, o fato de conhecer um pouco mais as causas da dor lombar, com toda certeza atrasará sua ocorrência, bem como, auxiliará na sua busca por tratamento. Sendo assim, este artigo tem como objetivo te ajudar a compreender o que pode desencadear a dor lombar, para que a busca por tratamento se torne mais fácil. Acompanhe os detalhes.

Quais são as causas da dor lombar?

Primeiramente, existe uma gama de possibilidades quando o assunto é dor lombar. Por outro lado, há algumas situações frequentes que são o motivo dessas dores. As chamadas causas comuns. Veja algumas abaixo:

Estiramentos

Atividades em excesso fazem com que os ligamentos das costas se estiquem constantemente. Além disso, se não há devido aquecimento eles podem rasgar, o que provoca a dor lombar, além de frequentes espasmos musculares.

Lesão no disco

A tão conhecida hérnia de disco é outra causa da dor lombar. O avanço da idade é um fator que aumenta a probabilidade de ocorrência. Além das hérnias, os discos localizados na parte de trás das costas podem lesionar e provocar dor intensa na lombar. Sendo assim, é importante ficar atento à qualquer dor nas costas depois de uma torção ou levantamento de peso. Pois, se ela persistir por mais de 3 dias, há sérias chances de ser uma lesão no disco.

Ciática

Outra condição para a dor lombar é a pressão do nervo ciático. Esse nervo está ligado à coluna vertebral, bem como às pernas. Sendo assim, se ocorrer uma hérnia de disco e ela pressionar o nervo ciático, a dor lombar será aguda e parecida com uma ardência ou queimação.

Estenose espinal

A estenose espinhal (ou estreitamento) é uma condição comum que se manifesta quando o pequeno canal medular, que contém as raízes nervosas e a medula espinhal, fica comprimido. Por certo, isso causa um “aperto” da medula espinhal e as raízes nervosas, o que leva a dor lombar e até dormência. Ademais, dores nas pernas e pescoço também podem resultar de uma estenose espinhal.

Curvaturas anormais da coluna

Escoliose e lordose são deformidades na região lombar da coluna vertebral. Embora diagnosticadas, na maioria das vezes na infância, ainda sim podem causar problemas futuros. Em virtude de má postura resultante dessa condição, os músculos ligamentos e vértebras, são facilmente comprimidos. Por consequência, dor intensa na lombar. Em suma, além das causas mais comuns, mencionadas acima, há outros fatores que podem causar a dor lombar. Ao passo que, cada caso é único, de acordo com as particularidades de cada ser humano, é importante conversar com seu médico a respeito das dores que sente, pois, somente ele pode lhe dizer o motivo. Quer saber mais? Clique no banner.
Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
Bursite – sintomas, causas e tratamentos

Bursite – sintomas, causas e tratamentos

A bursite é uma inflamação muito comum. Ela atinge tanto esportistas, como jogadores de tênis e corredores profissionais, como trabalhadores manuais. A realização de esforços repetitivos pode afetar as bursas e provocar incômodo. Você sabe o que são as bursas? Sabe como essa inflamação acontece? Então, continue a leitura do artigo para descobrir.

O que é bursite?

O termo designa a presença de um processo inflamatório nas bursas. Os locais mais comuns são: ombros, cotovelos, joelhos e quadril. Em todas as juntas do corpo nós temos os tendões, que são responsáveis por conectar os músculos aos ossos. As bursas existem para  reduzir o atrito que há entre os tendões e os ossos. Existem cerca de 70 bursas espalhadas pelo corpo. No interior da bursa está o líquido sinovial, um lubrificante natural que tem aspecto semelhante ao de um óleo. Quando a bursa inflama, o corpo aumenta a produção desse líquido, mas com aspecto menos viscoso. Nesse processo, a bursa aumenta de volume, o que causa o inchaço e a dor. Se também houver uma inflamação no tendão, pode ocorrer o depósito de cálcio. Esse é o quadro de uma tendinite calcária. Se o depósito for no interior das bursas, pode provocar a limitação de movimentos.

Quais são os sintomas da bursite?

Na maioria dos casos, os sintomas são dor e diminuição da amplitude de movimento das articulações. Outros sinais podem surgir, dependendo do local da inflamação. Quando ocorre no ombro, o paciente sente dor ao afastar o braço da lateral do corpo.Se for no cotovelo, o paciente não sente dor, mas há um inchaço no local. A bursite pode ser aguda ou crônica. O tipo agudo pode durar por horas ou dias e a dor é sentida quando há movimento ou toque na região afetada. Já a bursite crônica pode ter origem na repetição dos casos agudos. Se a bursa inflamada for submetida a um esforço exagerado ou a uma constante tensão, a inflamação pode se agravar, limitar os movimentos e enfraquecer os músculos.

O que pode causar esse problema?

A causa mais comum da inflamação das bursas é a repetição de movimentos com as articulações ou permanecer por longos períodos na mesma posição. Quando falamos em repetição de movimentos, não estamos, necessariamente, falando de movimentos “anormais”. Os movimentos comuns ao nosso cotidiano podem ser suficientes para gerar o desconforto. Veja exemplos:
  • Fazer lançamento de objetos;
  • Levantar algo, repetidamente, sobre a cabeça;
  • Ficar muito tempo ajoelhado ou sentado, principalmente em locais pouco confortáveis;
  • Nadar por longas distâncias.
Em outros casos, a bursite pode surgir em decorrência de outras condições, tais como, traumatismo nas articulações, infecções, artrite e gota.

Como é feito o tratamento da bursite?

O tratamento é baseado em repouso, aplicação de gelo, uso de analgésico e terapia. Essas medidas podem ser suficientes para tratar a inflamação e controlar os sintomas. A terapia inicial indicada é a fisioterapia que ajuda a fortalecer os músculos da região afetada. Ela atua promovendo um alívio da dor e evitando que haja reincidência. Se essas medidas não forem suficientes, podem ser prescritas outras formas de tratamento. No caso de infecções, o paciente precisará fazer uso de antibióticos. As injeções de corticosteroides também podem ser prescritas para reduzir a inflamação. Caso o quadro se agrave, pode ser necessária a punção para retirada do líquido ou, até mesmo, a cirurgia. Quer saber mais? Clique no banner.
Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
5 doenças crônicas mais comuns

5 doenças crônicas mais comuns

Segundo o Ministério da Saúde brasileiro, cerca de 40% da população adulta do país possui, pelo menos, uma doença crônica que são responsáveis por 72% das causas de morte. Esses números alarmantes nos mostram como é importante conhecer mais sobre essas patologias. As doenças crônicas se caracterizam por serem patologias que se desenvolvem de forma lenta e permanecem por um longo período. Elas são classificadas em não transmissíveis (DCNT), como a asma e a hipertensão, e transmissíveis, como a tuberculose e a AIDS. Por isso, preparei esse texto para explicar um pouco mais sobre as essas doenças.

5 doenças crônicas comuns, suas causas e tratamentos

1. Hipertensão

A hipertensão arterial se refere ao aumento da pressão sanguínea dentro dos vasos. Ela é diagnosticada quando um indivíduo apresenta, sistematicamente, a pressão arterial igual ou maior que 14 por 9. Essa doença crônica é causada pela contração dos vasos sanguíneos, fazendo com que a pressão no seu interior seja maior. Na maioria dos casos, os pacientes não apresentam sintomas. Quando eles surgem são dor de cabeça, vômitos dispnéia, agitação e visão borrada. A falta de tratamento da hipertensão arterial pode provocar graves prejuízos à saúde do paciente, tais como, infarto agudo, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC).

2. Diabetes

O diabetes é uma doença crônica e autoimune que se caracteriza pela má absorção ou deficiência na produção da insulina pelo organismo. A insulina é produzida no pâncreas e tem a função de quebrar as moléculas de glicose e transformá-las em energia. Essa patologia é classificada em três tipos. O tipo 1 é mais comum na infância e está relacionada à baixa produção da insulina pelo pâncreas. O tipo 2 ocorre porque as células são resistentes à ação da insulina. O terceiro tipo é o diabetes gestacional, que afeta as gestantes em função do aumento excessivo de peso. O diabetes também pode ter origem em outras condições, tais como, pancreatites alcoólicas e uso indevido de alguns medicamentos.

3. Acidente Vascular Cerebral (AVC)

O acidente vascular cerebral é uma das patologias crônicas mais recorrentes no Brasil. Ele é dividido em dois tipos, que variam conforme a causa. O AVC isquêmico acontece em decorrência da falta de sangue no cérebro em função de um ateroma, trombose ou embolia. O AVC hemorrágico se caracteriza pelo sangramento cerebral por ocasião do rompimento de uma artéria ou de um vaso sanguíneo. Geralmente, essa doença tem origem em outra patologia, tais como, diabetes, colesterol elevado, hipertensão e problemas vasculares.

4. Osteoporose

A osteoporose é uma condição provocada pela redução da densidade óssea que acarreta no enfraquecimento dos ossos, sendo mais frequentes em pessoas idosas. Os pacientes dessa doença estão mais suscetíveis a fraturas. É uma patologia assintomática e, na maioria dos casos, só são percebidas quando o indivíduo sofre uma fratura. Essas fraturas costumam ser dolorosas e se consolidam lentamente, causando uma deformidade no paciente, como por exemplo, a coluna encurvada.

5. Câncer

Essa é, sem dúvida, a doença crônica de maior prevalência no mundo. Câncer é o termo utilizado para nomear mais de 100 tipos de doenças que são causadas por um crescimento desordenado de células, que se dividem e agem de forma agressiva e incontrolável. Essa profusão de células forma tumores que atacam os tecidos e invadem os órgãos. Sem o devido tratamento, elas podem se espalhar por todo o corpo. Os tipos de câncer mais comuns são o câncer de pele, de próstata, de cólon e reto, de pulmão e de mama. Essas são apenas algumas das doenças crônicas que ocorrem com mais frequência. A melhor forma de prevenção é ter uma rotina de consultas médicas para avaliar a sua saúde. Quer saber mais? Clique no banner!
Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
Artrose – sintomas, causas e tratamento

Artrose – sintomas, causas e tratamento



De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, dentre todas as doenças definidas como reumatismos, a artrose é a que ocorre com mais frequência, respondendo por cerca de 30% dos casos.

Por isso, é importante que estejamos atentos aos sintomas que ela produz. Assim, o diagnóstico poderá ser mais rápido. Nesse texto, você também vai conhecer as causas e os tratamentos disponíveis para essa patologia.

O que é artrose?

A osteoartrose, como também é conhecida, é o nome dado ao desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos, ligamentos, membrana e líquido sinovial. Ela é dividida em dois tipos, primária e secundária.

A primária diz respeito aos casos em que não há uma causa identificada para esse desgaste. Quando é secundária, significa que a origem da doença é conhecida. A artrose pode ser causada por diversos fatores.

O termo artro, do grego, significa articulação, e ose, do latim, significa desgaste, ou seja, desgaste da articulação. As áreas mais afetadas são as mãos, os joelhos, as coxofemorais e a coluna.

As cartilagens articulares funcionam como uma rede de proteção que impede que um osso se choque com o outro. Elas são compostas por água, colágeno e proteoglicanos. No momento do impacto, as cartilagens são comprimidas e eliminam água do seu interior.

A doença ocorre quando há um maior volume desse líquido no interior da cartilagem. Ela é mais comum em pessoas acima dos 40 anos de idade.

Quais são os sintomas?

Quando o desgaste acomete pessoas com menos de 40 anos, ele é assintomático e evolui lentamente. Em pessoas com idade mais avançada, o sinal mais comum e apresentado pelos pacientes é a dor ao tentar realizar movimentos com as articulações.

Outros sintomas comuns são inchaço, rigidez dos membros, dor articular que piora durante a noite, imobilidade, perda de flexibilidade, presença de nódulos rígidos, sensação de formigamento e dormência nos membros inferiores e superiores.

Se o desgaste ocorrer nas articulações da coluna, o paciente pode apresentar dor lombar ou no pescoço, formação de nódulos enrijecidos nas mãos e aparência valga nos joelhos.

Quais são as causas?

Como mencionado anteriormente, a artrose primária não possui uma causa conhecida. Em alguns casos, ela pode surgir em razão de uma irregularidade na superfície articular, da obesidade ou pela prática excessiva de esportes de alto rendimento.

No tipo secundária, as causas variam bastante. O desgaste das articulações pode ocorrer, principalmente, como consequência de traumas, doenças reumatológicas inflamatórias, necrose óssea, doenças congênitas do esqueleto, doenças metabólicas e endócrinas.

Como é o tratamento?

O tratamento não retarda ou reverte a evolução do quadro clínico de artrose, mas auxilia no controle dos sintomas, permitindo que o paciente viva um vida normal e sem dor. Assim, a realização de exercícios aeróbicos e a utilização de analgésicos pode ser indicada.

Em alguns casos mais complexos, pode haver a recomendação cirúrgica. Os procedimentos que podem ser realizados variam de acordo com a região desgastada. As intervenções mais comuns são:

  • Artroplastia: consiste na substituição integral ou parcial da articulação por uma prótese;
  • Artrodese: é a cirurgia para fusão de dois ossos, muito realizada na coluna;
  • Osteoplastia: é o procedimento de remoção e higienização cirúrgica dos ossos deteriorados;
  • Osteotomia: consiste na mudança do alinhamento dos ossos por meio da secção de partes ósseas.

Já sabe tudo sobre a artrose? Contudo, não tome nenhuma medida sem ser avaliado por um médico especialista. Quer saber mais? Clique no banner.



Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
Dor no ombro – o que pode ser?

Dor no ombro – o que pode ser?

Graças aos ombros, realizamos diversas atividades rotineiras como escovar os dentes, pentear o cabelo e trabalhar. Quando há um incômodo nessa região, nosso cotidiano é afetado. Existem diversas causas para dor no ombro e será sobre elas que vamos falar.

Se você apresenta esse sintoma ou se tem o interesse de aprender sobre o assunto, precisa ler esse texto.

5 causas da dor no ombro

1. Artrite

A artrite é a inflamação em uma ou em mais articulações, tais como, ombros, joelhos, tornozelos e pulsos. Essa condição pode ter origem autoimune, metabólica, em consequência de um trauma, um desgaste ou uma infecção.

Dependendo do nível da artrite, ela pode provocar uma lesão no tecido que protege a articulação, nos ossos, na cápsula articular ou nos ligamentos. Para evitar isso, ela precisa ser tratada o quanto antes.

2. Bursite

A bursite também é uma inflamação, mas da bursa. A bursa é uma estrutura que se parece com uma almofada e tem a função de proteger os tendões e os músculos dos ossos do ombro durante o movimento.

Essa inflamação é mais comum nos ombros, cotovelos e quadril, mas pode afetar  várias articulações. É uma condição frequente em pessoas que precisam realizar esforços repetitivos com o braço.

A bursite também pode ter origem em traumas ortopédicos, processos reumatológicos, gota ou uma infecção. Além da dor no cotovelo, o paciente apresenta rigidez, inchaço, calor ou vermelhidão.

A dor no ombro, característica da bursite, é sentida na parte superior ou frontal do ombro. Essa sensação é mais aguda quando há um movimento da articulação.

3. Fraturas no ombro

As fraturas no ombro também são causas comuns da dor no ombro e, na maioria dos casos, são fáceis de identificar. As fraturas são causadas por traumas, tais como, quedas de lugares altos ou acidentes de trânsito.

Além da dor, as fraturas costumam causar inchaço e manchas roxas na pele. A intensidade da dor irá variar de acordo com o tamanho da fratura.

4. Síndrome do manguito rotador

A síndrome do manguito rotador ocorre quando as estruturas responsáveis pela estabilização dos ombros são lesionadas, provocando dor, fraqueza e dificuldade para levantar o braço. Ela pode ser causada por uma tendinite ou por uma ruptura parcial ou total dos tendões.

Outras possíveis causas da síndrome são a formação de um processo inflamatório na região em função de um desgaste, irritação ou por um impacto excessivo na articulação.

O manguito rotador é uma parte do ombro que é formada por quatro músculos. Esses músculos desempenham funções importantes, como por exemplo, movimentar e estabilizar o ombro.

5. Capsulite adesiva

Também conhecida como ombro congelado, a capsulite adesiva é a inflamação da cápsula articular. Essa cápsula é uma estrutura composta de colágeno que reveste a articulação, auxiliando na estabilização do ombro.

Quando a região inflama, ela incha, fica avermelhada e mais espessa, perdendo sua elasticidade. A evolução dessa condição promove a limitação dos movimentos, o que caracteriza o problema.

O sintoma mais característico é a intensa dor que causa no ombro, que pode permanecer por meses ou até por anos. Essa doença ocorre com mais frequência após os 55 anos de idade, sendo mais comum em mulheres do que em homens.

Agora, se você sentir dor no ombro já sabe quais são as possíveis causas. Contudo, o diagnóstico preciso só pode ser dado pelo ortopedista. Quer saber mais? Clique no banner.

Posted by Dr. Henrique Rios in iMedicina
5 dicas para aliviar a dor ciática

5 dicas para aliviar a dor ciática

Uma das principais queixas nos consultórios ortopédicos é a dor ciática. Geralmente, este sintoma é consequência da repetição de maus hábitos posturais. Contudo, é possível adotar algumas medidas para, pelo menos, aliviar esse incômodo.

Quer saber que medidas são essas? Neste post, você vai conhecer 5 importantes dicas para diminuir a intensidade destas dores.

O que é a dor ciática?

Trata-se de uma condição causada pela compressão do nervo ciático, o que provoca uma forte dor e formigamento que se inicia na coluna vertebral e se alastra até o pé. O ciático é o maior nervo do corpo humano, ligando o dedão do pé à região lombar. 

Na maioria dos casos, a dor tem origem em uma hérnia de disco lombar, na síndrome do músculo piriforme, tumor ou infecção. O diagnóstico é baseado no relato do paciente e no exame clínico. 

Ainda, dentre as principais formas de tratamento desta condição está o uso de medicamentos analgésicos prescritos pelo médico, sessões de fisioterapia, eletroterapia, fototerapia e/ou termoterapia.

Além disso, é possível aliviar e prevenir a dor ciática com algumas medidas conservadoras. Quer saber quais? A seguir, conheça cinco delas.

Recomendações para aliviar a dor ciática

1# Exercícios de alongamento

Em alguns casos, a realização de exercícios de alongamento e fortalecimento muscular são eficientes no combate a esses sintoma. Assim, você pode realizar as seguintes posições em casa:

  • gato e vaca: este alongamento é feito com o apoio das mãos e dos joelhos no chão, arqueando a coluna até o ponto em que veja suas coxas. Em seguida, retorne à posição de origem e solte o abdômen;
  • alongamento do piriforme: como o nervo ciático está ao lado do músculo piriforme, é possível aliviar a dor apenas pelo seu alongamento. Para isso, deite de costas com os joelhos dobrados e atravesse o tornozelo direito sobre o joelho esquerdo. Então, com força, flexione o pé direito e use a mão para afastar o joelho direito de você;
  • perdigueiro: uma posição clássica de alongamento que para realizar basta apoiar os punhos e joelhos no chão e, com a coluna alinhada e ereta, estender a mão direita ao mesmo tempo em que estende a perna esquerda;

Estes exercícios devem ser repetido em três séries de 12 repetições em cada lado. A partir desta prática, você pode aliviar e até eliminar a dor ciática da sua rotina

2# Compressas quentes

Trata-se de uma excelente alternativa de tratamento caseiro para aliviar a dor ciática. As compressas são banhadas em água quente e colocadas na coluna ou no local exato da dor. Assim, a musculatura relaxa e o organismo libera endorfinas que promovem o bem-estar.

3# Boa postura

Geralmente, qualquer tipo de dor na coluna é parcialmente causada pela manutenção de uma postura inadequada. Assim, é possível aliviar a dor pela correção destes maus hábitos. Para isso, adote os seguintes comportamentos:

  • quando precisar permanecer em pé ou ficar sentado por longos períodos, alterne essas posições e procure sempre manter a boa postura;
  • flexione os joelhos quando erguer um peso do chão;
  • evite movimentos bruscos com a coluna para evitar pinçamento dos nervos;
  • ao dormir, escolha uma posição favorável à coluna.

4# Fisioterapia

Uma das principais prescrições para o tratamento da dor no nervo ciático é a fisioterapia. Esta técnica fortalece o assoalho pélvico e a musculatura da coxa, do abdômen, da coluna e do diafragma.

5# Alimentação saudável

Apesar de não parecer, a alimentação tem relação com a ciatalgia. Isso porque o excesso de peso, aliado a outros fatores, prejudica o alinhamento adequado da coluna vertebral, causando dores na região lombar. Assim, com uma alimentação saudável é possível controlar o peso.

Pronto! Se você sofre com a dor ciática, basta seguir essas medidas para que perceba o alívio. Contudo, é importante esclarecer que o primeiro passo do tratamento é buscar um profissional especializado no tema.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
O uso de salto alto pode causar lesões na coluna?

O uso de salto alto pode causar lesões na coluna?

 O uso de salto alto é um símbolo feminino, pois traz elegância, sensualidade e sofisticação. Por isso, dificilmente encontramos uma mulher que não goste do acessório. Uma polêmica muito comum sobre sua utilização é se ele pode ou não causar lesões na coluna, caso o calçado seja utilizado de forma recorrente.

O que você acha? Quer saber a resposta? Então, recomendamos que leia este post até o fim, pois explicaremos tudo sobre o assunto.

O salto alto causa alterações na coluna?

“Depende” seria a resposta correta. Isso porque o uso deste tipo de calçado não é o responsável pelos problemas na coluna, mas o excesso pode, sim, agravar um problema que já existia.

Apesar de toda a polêmica envolvendo o assunto, ainda não há uma comprovação científica de que calçar este acessório seja a origem de qualquer problema vertebral. Na maioria das vezes, a dor é provocada por outro fator, mas é potencializada quando a mulher usa o calçado.

O salto alto provoca alguma alteração no corpo?

Sim. Quando o corpo está equilibrado em um salto alto, ocorre uma alteração biomecânica do movimento. Neste caso, é comum que haja uma compensação e, consequentemente, uma sobrecarga dos tornozelos, calcanhares, quadril, joelhos, tendões e músculos das pernas.

Quando algumas partes do corpo ficam sobrecarregadas, a dor é o primeiro alerta. Porém, existem diferentes tipos de salto alto e nem todos produzem esse desequilíbrio.

Ainda, os maiores vilões são os calçados com saltos muito altos, pois deixam o calcanhar muito elevado, fazendo com que o corpo se projete para a frente, causando a hiperlordose. Além disso, devido à inclinação, há um excesso de peso sobre os joelhos e a coluna lombar.

Ademais, os modelos de saltos mais finos, como o “agulha”, produzem uma pressão maior sobre os calcanhares. Por isso, os tipos mais recomendados e menos prejudiciais são os de média altura e largos.

Qual o tipo de salto ideal?

Os tipos de saltos mais recomendados são os grossos, baixos e médios, com altura máxima de quatro centímetros. Nesse perfil, se enquadram os formatos Anabela, plataforma e meia patas, desde que possuam apoios ao longo do pé, ou tenham o salto mais largo.

Como o corpo reage ao uso de salto alto?

Quando não estamos fazendo uso deste calçado, o centro de gravidade do corpo fica perpendicular ao chão, a coluna se mantém na sua curvatura natural e o peso do corpo está bem distribuído.

Já quando o salto é utilizado, o calcanhar e o tornozelo ficam suspensos, o que faz com o que centro de gravidade perca seu apoio e se projete para frente. Assim, forma-se uma lordose e as vértebras tendem a comprimir a medula espinhal.

Como prevenir possíveis danos na coluna?

Embora a melhor forma de prevenção seja não utilizar o salto alto, nem sempre é possível abrir mão dele. Por isso, siga as seguintes recomendações:

  • reduza o período em que permanece com o calçado. Para isso, carregue um par de tênis e o utilize sempre que possível;
  • evite os sapatos de salto que tenham a região da frente muito estreita, pois comprimem a parte anterior do pé;
  • procure manter os pés, tornozelos e panturrilhas alongados. Assim, é possível evitar os incômodos e aliviar a tensão;
  • tente fazer um rodízio diário entre sapatos de saltos altos e baixos, evitando que os pés se acostumem apenas com um tipo específico.

Porém, para quem já sofre com dores na coluna, o uso dos saltos deve ser abandonado quase que por completo, pois podem agravar a condição.

Pronto! Agora você já sabe se os calçados de salto alto lesionam ou não a coluna. Caso você ainda queira utilizar esses sapatos, procure fazer atividades que fortaleçam a sua musculatura, como a fisioterapia e o Pilates.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Espondilolistese: quando a cirurgia é indicada?

Espondilolistese: quando a cirurgia é indicada?

A coluna vertebral é o ponto de sustentação do corpo humano e, por isso, quando é acometida por algum problema, isso pode afetar toda a mobilidade. Um desses transtornos é a espondilolistese, uma condição complexa e de difícil compreensão.

Neste post, você vai saber mais sobre essa patologia, conhecer suas principais causas e quando a cirurgia é a alternativa de tratamento mais indicada.

O que é a espondilolistese?

Trata-se de uma doença caracterizada pelo deslizamento de uma vértebra sobre a outra, provocando o desalinhamento da coluna. Essa subluxação ocorre, principalmente, na região lombar, entre os niveis L5 -S1.

Além do transtorno postural que causa, a espondilolistese também deixa a coluna mais instável. Essa condição é classificada de acordo com a porcentagem de escorregamento, variando entre grau I e grau V.

Ainda, o termo que define a doença é derivado das palavras gregas spondylos e olisthesis que significam deslizamento de vértebra. 

Como é causada a espondilolistese?

Existem diferentes causas para esse quadro e, por isso, a espondilolistese é classificada de acordo com elas:

  • displásica (congênita): surge durante a gestação, provocando uma irregularidade do arco neural de modo que a vértebra l5 se sobreponha a s1;
  • ístmica: ocorre em razão da repetição de movimentos de extensão e torção, causando estresse nas articulações e desgaste nas extremidades que se conectam. este é o tipo mais comum da doença;
  • degenerativa: em função do envelhecimento natural, os discos e facetas vertebrais passam por um processo degenerativo e deixam a coluna instável;
  • traumática: ocorre em consequência de um trauma na área vertebral, causando fraturas agudas;
  • patológica: surge em razão de outra doença, como neoplasias, doenças metabólica ou reumáticas, tuberculose, sífilis, doença de Paget e artrogripose.

Quais são as alternativas de tratamento?

Apesar de não existir um consenso na comunidade médica sobre a melhor alternativa de tratamento, existem diferentes técnicas que produzem resultados satisfatórios. Entre os procedimentos não invasivos estão a fisioterapia, Pilates, RPG e acupuntura.

Além disso, o profissional também pode prescrever o uso de medicamentos para combater as dores e a inflamação. Ademais, o paciente pode receber a contraindicação para a prática de algumas modalidades esportivas.

Ainda, a intervenção cirúrgica tem por objetivo a descompressão dos nervos que foram pressionados após o deslizamento da vértebra. O procedimento mais comum é a artrodese.

Trata-se de uma técnica cirúrgica para fundir os ossos e colocação de parafusos de titânio entre as vértebras, após a descompressão. Assim, a vértebra fica impedida de se deslocar novamente. Em situações mais graves, o disco acometido pode ser substituído por enxerto.

Quando a cirurgia é indicada?

A cirurgia de espondilolistese só é indicada quando o tratamento conservador não apresenta resultado satisfatório, quando o quadro do paciente é grave ou quando o deslizamento ultrapassa 50% do tamanho da vértebra.

Nessas situações, o tratamento clínico é dispensado pelo profissional de saúde, preferindo iniciar pela intervenção cirúrgica.

Pronto! A partir da leitura destas informações você já tem o conhecimento sobre as informações mais relevantes sobre a espondilolistese.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Cirurgia de fusão espinhal: quando ela é indicada?

Cirurgia de fusão espinhal: quando ela é indicada?

Uma das queixas mais comuns nos consultórios médicos é a dor na coluna, um sintoma que pode ser causado por diferentes fatores. Em casos graves, a cirurgia de fusão espinhal pode ser a única alternativa eficaz de tratamento.

Você conhece este procedimento? Sabe quando é indicado? Então, recomendamos a leitura imediata deste post.

O que é a cirurgia de fusão espinhal?

Trata-se de uma intervenção cirúrgica realizado para fundir duas ou mais vértebras. O objetivo do procedimento é eliminar os movimentos entre essas estruturas e, consequentemente, aliviar a dor sentida pelo paciente.

Também chamada de artrodese da coluna, a cirurgia faz uma espécie de “solda” nas vértebras. Por meio da técnica, é realizada uma conexão óssea direta com o disco vertebral. Por ser complexa e limitar os movimentos do paciente, a fusão espinhal é vista como último recurso.

Quando a cirurgia é indicada?

Na maioria dos casos, o profissional de saúde recomenda a artrodese da coluna nos casos em que há a necessidade de melhorar a sua estabilidade, corrigir alguma deformidade ou reduzir a dor. As condições que provocam estes sintomas são:

  • fratura vertebral em função de um trauma, mas apenas quando deixa a coluna instável;
  • curvatura lateral da coluna (escoliose);
  • arredondamento anormal da parte superior da coluna (cifose);
  • fraqueza ou instabilidade em razão de um movimento anormal ou excessivo entre duas vértebras, que pode ser causado por uma artrite severa;
  • espondilolistese, quando causa dor intensa nas costas ou apinhamento nervoso, que deixa as pernas dormentes;
  • hérnia de disco, sendo uma forma de estabilizar a coluna após a eliminação do problema;
  • doença degenerativa do disco;
  • estenose espinal;
  • infecção;
  • tumor.

Como é feita a cirurgia de fusão espinhal?

Com a evolução da medicina, surgiram novos métodos de execução da cirurgia de fusão espinhal, que são utilizados de acordo com a localização das vértebras a serem fundidas e do motivo dela.

Ainda, as abordagens mais comuns são pela frente, pelas costas ou pela lateral. Independente da forma escolhida para o acesso a espinha, a fusão é realizada por meio da inserção de enxerto ósseo.

Trata-se de um material que atua como um estimulante para a cicatrização e a produção dos ossos. Atualmente, os enxertos podem ser matrizes ósseas desmineralizadas, proteínas morfogenéticas do osso ou de cerâmica.

Normalmente, após a cirurgia, a coluna do paciente é imobilizada para que as vértebras permaneçam juntas. Para isso, o profissional de saúde pode usar placas, parafusos e hastes.

Quais são as possíveis complicações após a cirurgia?

Embora não seja positivo, os riscos de complicações cirúrgicas existem para qualquer tipo de procedimento. No caso da fusão espinhal, eles são:

  • infecção;
  • pseudoartrose;
  • dor na região do enxerto;
  • manutenção dos sintomas que existiam antes da cirurgia;
  • dano nos nervos ou nos vasos sanguíneos;
  • formação de coágulos de sangue nas pernas.

Ainda, a melhor forma de evitar o risco  é seguindo atentamente todas as orientações da equipe médica durante o pós-operatório. Além disso, sinais de inchaço, vermelhidão ou dor nos membros inferiores indicam a necessidade de retornar ao cirurgião responsável.

Gostou do nosso conteúdo? Entendeu tudo sobre a cirurgia de fusão espinhal? Neste blog, você vai encontrar diversos posts sobre os assuntos mais variados.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos