Dr. Henrique Rios

Hérnia de disco: quando a cirurgia é indicada

Hérnia de disco: quando a cirurgia é indicada

A hérnia de disco é um problema sério, mas bastante comum: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 5,4 milhões de brasileiros sofrem com essa enfermidade, que é dolorosa e pode se tornar incapacitante.

As razões para o desenvolvimento dessa hérnia podem variar bastante. 

Embora o desgaste da coluna vertebral seja natural, os hábitos adquiridos com o advento da tecnologia, a rotina do escritório e até exercícios feitos de maneira incorreta podem acelerar o processo.

Em geral, as hérnias de disco são tratadas de maneira convencional, com a utilização de medicamentos, atividade física, fisioterapia e tratamentos auxiliares (acupuntura, por exemplo).

Em alguns casos, no entanto, é preciso submeter o paciente a uma cirurgia, com o intuito de restabelecer a sua qualidade de vida e permitir que a pessoa possa trabalhar, andar, fazer as atividades cotidianas.

Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre as indicações da cirurgia para tratar o quadro em questão e sobre os tipos de cirurgia existentes nesses casos. Confira.

Quando é preciso operar a hérnia de disco?

De acordo com material publicado pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, o tratamento cirúrgico é indicado em casos bastante específicos.

Pacientes com hérnia de disco confirmada por imagem e com dor persistente por 3 a 6 semanas, que não reagem aos medicamentos e tratamento conservadores, são bons candidatos ao procedimento.

Pessoas com doenças específicas, como a síndrome da cauda equina ou o deficit neurológico progressivo ou severo podem ser submetidas à cirurgia em caráter emergencial.

Como é feita a cirurgia para hérnia de disco?

A cirurgia pode ser tradicional ou minimamente invasiva, de acordo com a indicação do médico e o estado clínico no paciente. Abaixo, falaremos um pouco mais sobre ambas as opções.

Cirurgia tradicional

Como o próprio nome pode sugerir, trata-se de uma cirurgia feita nos moldes mais convencionais.

Ou seja: a intervenção é feita com anestesia geral e sedação e consiste na feitura de um corte na região das costas do paciente, com o intuito de acessar a coluna vertebral.

O cirurgião pode substituir o disco danificado por outro, feito de material artificial, ou unir 2 vértebras.

Costuma ser uma cirurgia relativamente rápida, mas o tempo pode variar de acordo com a severidade do caso.

Cirurgia minimamente invasiva

Procedimento que visa tratar as hérnias sem provocar internação ou cicatrizes de grande porte, pode ser feito por técnicas diferentes, como as que serão apresentadas a seguir.

Cirurgia endoscópica

Por pequenas incisões, o especialista infiltra tubos finos, de pequena extensão, no corpo do paciente. Na ponta desses tubos, está uma câmera.

A cirurgia endoscópica é inteligente, uma vez que permite que o médico acesse o interior da coluna sem fazer grandes cortes, e pode ser realizada com sedação e anestesia local.

Em algumas circunstâncias, pode contar com o apoio de um aparelho de radiofrequência, que auxilia na remoção da hérnia e na cauterização dos nervos.

Microcirurgia

Procedimento feito através de um microscópio cirúrgico, tem como objetivo cauterizar os nervos ao redor da hérnia e remover o disco afetado.

Costuma ser a escolha mais popular dos especialistas, uma vez que diminui o risco de hemorragias e infecções.

Outra vantagem desse procedimento para tratar hérnia de disco está no tempo de repouso do paciente após a cirurgia: a recuperação é rápida, e a internação, curta.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Como é feita a cirurgia de hérnia de disco

Como é feita a cirurgia de hérnia de disco

A cirurgia de hérnia de disco é recomendada quando o tratamento convencional não surtiu os efeitos desejados e o quadro clínico do paciente sugere a necessidade de uma intervenção mais dramática.

Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre a hérnia de disco em si. Além disso, explicaremos em quais situações é necessário recorrer à intervenção cirúrgica e quais são os tipos de cirurgia existentes. Confira.

O que é hérnia de disco?

Os tecidos existentes na região da coluna, por entre os ossos, são chamados de discos intervertebrais. Eles têm a função de permitir a movimentação da coluna, mas também de absorver o impacto da movimentação cotidiana.

É natural que, com o passar dos anos, os discos intervertebrais fiquem danificados. Hábitos posturais incorretos, sedentarismo e ausência de atividade física, no entanto, podem fazer com que a degeneração ocorra de forma mais rápida.

Quando há o rompimento externo de um disco, ocorre o que chamamos de hérnia de disco — quadro bastante doloroso, que atrapalha a movimentação, causa dor e, eventualmente, pode ser incapacitante.

Uma mesma pessoa pode ter várias hérnias desse tipo. A gravidade de cada uma delas pode variar.

Quando é feita a cirurgia de hérnia de disco?

Como já comentamos, a maior parte dos pacientes é cuidada com tratamento convencional. Isso inclui sobretudo a utilização de medicamentos, a prática de atividade física voltada para o fortalecimento da coluna vertebral e, quando necessário, repouso.

A cirurgia para o problema em questão pode ser feita de 2 formas distintas. A escolha do método varia de acordo com as demandas do caso clínico.

Tipos de cirurgia

Existem 2 tipos de cirurgia: a tradicional e a minimamente invasiva. Falaremos mais sobre elas abaixo.

Cirurgia tradicional

Na intervenção tradicional, realiza-se um corte nas costas do paciente, a fim de acessar a coluna vertebral.

Retira-se a parte afetada do disco vertebral — ou a totalidade dele, a depender do caso — e, então, acrescenta-se um disco artificial. Há também a possibilidade de se unirem 2 vértebras.

Claro que, uma vez que estamos falando sobre um procedimento invasivo, é natural que o paciente esteja sedado e completamente anestesiado.

Cirurgia minimamente invasiva

Dentro desse grupo, está um conjunto de técnicas que têm sido utilizadas para promover intervenções cirúrgica mais rápidas, com menos riscos e com menor tempo de recuperação. Elas serão descritas a seguir.

Cirurgia endoscópica

Feita por meio de pequenos tubos com câmeras, pode ser com sedação e anestesia local — o que a torna mais rápida e diminui consideravelmente o tempo de recuperação.

Microcirurgia

Consiste em remover o disco afetado e promover a cauterização dos nervos que existem ao redor da hérnia, o que diminui os quadros de dor.

É um procedimento que diminui a possibilidade de hemorragia e não deixa grandes cicatrizes.

Existem ainda procedimentos que, sem caráter cirúrgico, trabalham para diminuir a dor do paciente.

Importante salientar que todo tratamento deve ser acompanhado por um médico responsável e respeitar as informações clínicas e o estado de saúde do paciente.

Ao 1º sinal de que algo foge à normalidade, deve-se buscar opinião especializada. A automedicação, em qualquer circunstância, é completamente desaconselhável, inclusive no caso da hérnia de disco.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Lesões na virilha: como evitar?

Lesões na virilha: como evitar?

Quando falamos sobre lesões na virilha, estamos nos referindo a um grupo bastante extenso de lesões, na verdade.

Os músculos normalmente atingidos são os adutores longo e curto, o magno e o grácil — todos localizados em espaços próximos à parte interna da coxa.

As lesões ocorrem tanto na junção do músculo com o tendão quanto dentro do corpo muscular e podem ser qualificadas em 3 graus distintos, que são:

  • grau 1: lesão de caráter leve, que não provoca alterações significativas nas fibras musculares;
  • grau 2: lesão de caráter moderado, em que há alteração nas fibras;
  • grau 3: lesão grave, que causa alterações severas na integridade do tendão.

Abaixo, listaremos algumas das causas mais comuns de lesões na virilha — e o que se deve fazer para evitar problemas.

Problema de atleta: relações entre lesões na virilha e a prática esportiva

Lesões na região da virilha são frequentes em pessoas que praticam atividade física, em especial atletas ou esportistas amadores.

O problema ocorre quando há contração muscular aguda, o que é mais comum durante a corrida ou em esportes nos quais é preciso fazer movimentos de chute.

Atletismo, tênis, artes marciais em geral, ginástica artística e atividades do gênero são fatores de risco.

Outras causas incluem falha de aquecimento, fadiga muscular — o que acontece quando há overtraining ou excesso de treinamento — e traumas de impacto.

Desrespeitar os limites do corpo, alterar as metas de um dia para o outro e fazer movimentos ou alongamentos de maneira incorreta também propiciam lesões múltiplas.

Como diagnosticar?

É possível perceber que algo não vai bem logo após a lesão: a dor é súbita, pode vir acompanhada por um “estalo”, em geral, impede que o atleta continue a jogar e, às vezes, até a andar normalmente.

É importante que o esportista seja levado imediatamente ao médico, para que sejam avaliadas a extensão e a gravidade da lesão.

O diagnóstico costuma ser feito durante a análise clínica, com a observação do quadro (é normal, por exemplo, que surjam hematomas na região atingida), a avaliação do perfil do indivíduo e a análise física.

Sensibilidade ao toque, calor na região e inchaço são comuns. Em casos mais sérios, é perceptível um “calombo” no local onde houve o problema.

Exames de imagem podem ser pedidos, mas isso é habitual apenas quando a pessoa ferida é um atleta de alta performance e precisa de informações precisas sobre o quadro de saúde dele e o tempo de recuperação e afastamento.

Como tratar?

Em boa parte dos casos, é possível contornar as lesões na região virilha com tratamento conservador.

Suspender atividades físicas por tempo determinado, manter-se em repouso e evitar forçar a musculatura da virilha fazem parte das recomendações médicas.

É possível unir, a medicamentos anti-inflamatórios e remédios para a dor, as compressas de gelo periódicas, a fisioterapia leve e os tratamentos auxiliares, como acupuntura sistêmica e auricular.

Cirurgias são raras, mas podem acontecer. Casos em que há ruptura completa do tendão do adutor fazem parte desse grupo.

Pessoas com dor crônica também podem ser submetidas a procedimentos cirúrgicos, mas isso costuma ser evitado nos tratamentos para lesões na virilha.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Como evitar lesões  durante a prática esportiva

Como evitar lesões durante a prática esportiva

Pessoas que têm o costume de fazer atividade física, em especial esportes de alta performance, estão mais propensas a sofrer lesões.c

Embora existam circunstâncias que fogem ao nosso desejo — como acidentes, impacto corporal contra adversários, etc. —, é possível fazer a prevenção de torções e similares durante a maior parte do tempo.

Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre os tipos de lesões mais comuns, além de fornecermos algumas dicas para evitá-las. Confira!

Quais são as lesões mais comuns em atletas?

A entorse de tornozelo, vulgarmente conhecida como “torção”, é possivelmente a situação mais comum dentre pessoas que praticam esportes.

Ela pode acontecer em uma série de ocasiões: durante a prática em terreno íngreme ou em local inóspito (com buracos, pista irregular, etc.), durante uma corrida, na hora de trocar a direção de movimento em uma partida de basquete, no momento em que o ginasta faz o pouso, entre outras.

Contusões, que são resultado de traumas diretos, são dolorosas e incômodas, mas tendem a ser pouco graves. Após um período de repouso, com medicação adequada e sem atividade física de impacto, pode-se retornar às atividades de interesse.

As fraturas e luxações, por sua vez, são bem mais complexas e podem, além de exigir intervenção cirúrgica em alguns casos, afastar o atleta de seu esporte predileto por meses.

O que fazer após uma lesão?

O 1º passo é não continuar com a prática de atividade física, mesmo que a dor pareça suportável.

Quando se está aquecido, pode ser difícil compreender a dimensão da dor ou o tamanho do problema ocorrido.

Assim, retornar à corrida, aos saltos e similares pode fazer com que a situação em curso piore e gerar consequências que podem até mesmo aposentar o atleta cedo demais.

Utilizar gelo na área atingida é uma boa maneira de diminuir a inflamação, assim como apoiar o local lesionado em uma superfície plana, fora do chão.

É preciso levar o ferimento ao conhecimento do médico imediatamente, para que possam ser avaliadas a extensão e a gravidade da lesão.

Como evitar lesões durante a prática de esportes?

Não se deve começar nenhuma atividade física sem o devido preparo.

Ao chegar ao local de treinamento, deve-se reservar pelo menos meia hora para acordar o corpo, alongar as articulações, espreguiçar.

Se houver dor durante a etapa de preparação, é importante sinalizar essa informação para o treinador ou o profissional responsável pela prática.

Outro cuidado diz respeito ao equipamento que deve ser utilizado. Jogadores de futebol devem utilizar chuteiras de boa procedência, capazes de fornecer estabilidade e diminuir o impacto da corrida.

Corredores, da mesma forma, devem investir em pares de tênis feitos para atletas.

Para além disso, é preciso estar atento aos sinais e aos limites do próprio corpo.

Fazer 12 horas de treino de alto impacto não é uma boa ideia, por exemplo. Além de sobrecarregar o corpo, chega um momento em que a perda de performance é evidente.

Aumentar, de forma significativa e de um dia para outro, as distâncias a serem percorridas também não funciona. O desenvolvimento de um corpo leva tempo — e esse tempo deve ser considerado para se evitarem as lesões.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
3 fraturas esportivas mais comuns

3 fraturas esportivas mais comuns

Fraturas esportivas são mais comuns em pessoas que fazem atividade física de impacto de forma frequente e intensa, como é o caso dos atletas profissionais.

Similarmente, indivíduos que fazem exercícios sem a devida preparação, que malham de forma exaustiva e incorreta ou dão início a treinos sem aquecimento também estão mais propensos a desenvolver lesões e, em casos severos, fraturas.

Em situações mais brandas, os esportistas sofrem com entorses — a famosa “torção”, que ocorre principalmente no tornozelo — de caráter leve. 

Quando a torção é grave, no entanto, pode até submeter o indivíduo a intervenções cirúrgicas.

Como se pode ver, é preciso ter cautela durante a prática de esportes e similares, embora eles sejam primordiais para a saúde, para a longevidade e para o combate a doenças múltiplas.

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre algumas das fraturas esportivas mais comuns e as suas causas.  Prossiga com a leitura.

Causas mais comuns de fraturas esportivas

Boa parte das pessoas que sofrem com fraturas esportivas passa pelo que chamamos de overtraining ou excesso de treinamento.

É importante respeitar os limites do corpo e ir devagar: aumentar a carga de peso de uma hora para outra, triplicar os horários de treino ou correr 20 quilômetros a mais são fatores de risco, por exemplo.

Com toda a certeza, a utilização de calçados inadequados também é uma das maiores causas de lesões, além de causar dores e fazer com que o corpo do atleta tenha perda de performance.

De tal forma que cada esporte tem um tipo de calçado: jogadores de futebol usam chuteiras. Corredores, tênis que absorvem o impacto. Isso não é por acaso.

Além disso, treinar em ambientes inóspitos, como pistas irregulares e com buracos, também aumenta a possibilidade de acidentes, fraturas e lesões.

Fraturas esportivas mais comuns

Abaixo, listamos 3 das fraturas mais recorrentes em profissionais de atividade física.

1. Fratura do joelho

O joelho é composto de vários ossos, como tíbia, fíbula, patela. A fratura pode ocorrer em qualquer uma dessas estruturas.

A ruptura da tíbia ocorre quando há golpes diretos sobre ela — o que pode ocorrer durante esportes que exigem que o atleta salte e aterrisse, como ginástica artística, vôlei, handebol.

2. Síndrome de cuboide

O cuboide é um osso localizado na região do pé. Quando fraturado, gera dor intensa, incapacidade de colocar o pé no chão, inchaço.

É difícil que haja ruptura total do osso, mas atividades de impacto frequente, como dança profissional, ginástica artística, atletismo e futebol, podem propiciar o desenvolvimento do problema.

É caracterizada por dor na lateral do pé, inchaço, diminuição do movimento, sensibilidade ao toque e dificuldade para andar.

Se não for tratada corretamente, pode causar problemas crônicos.

3. Fratura de jones

Trata-se de uma fratura óssea entre a parte do meio do 5º metatarso e a base do pé.

O nome da fratura advém do fato de ter sido descoberta pelo cirurgião ortopédico Robert Jones, que foi atingido pela lesão durante a prática de dança.

É um problema comum entre dançarinos e esportistas de alta performance e ocorre quando há flexão incorreta do pé, que se dobra para dentro.

Essas são as principais fraturas esportivas que acometem os indivíduos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!



Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Entorse do tornozelo: o que fazer?

Entorse do tornozelo: o que fazer?

Chamamos de entorse do tornozelo o trauma que ocorre após inversão do pé, normalmente durante alguma atividade de impacto ou acidente durante a locomoção.

Quando isso acontece, há um estiramento (em casos mais brandos) dos ligamentos existentes no tornozelo. Em casos mais complexos, pode haver ruptura parcial ou total dos ligamentos.

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre as causas mais comuns de entorse do tornozelo, apresentaremos as classificações médicas do problema e explicaremos quais são as formas de tratamento normalmente utilizadas. Confira!

Razões mais comuns para a entorse do tornozelo

Como já comentamos, a lesão costuma acontecer durante a prática de atividades físicas ou por acidentes de trajeto, mas isso não é uma regra.

Existem circunstâncias e hábitos que podem atuar como fatores de risco para o desenvolvimento do problema.

O não tratamento correto de lesões dessa ordem, por exemplo, pode fazer com que o paciente tenha instabilidade no andar, o que o torna mais propenso a desequilíbrios, tropeços e novos acidentes.

A utilização de salto alto diariamente, inclusive durante o deslocamento padrão, pode aumentar a chance de se torcer o pé.

Pisos irregulares ou desnivelados, escadas com degraus de tamanhos diferentes, exercícios físicos feitos erroneamente em academias e até tropeçar em obstáculos na rua podem causar entorses preocupantes.

O que fazer ao torcer o pé?

Vamos por partes.

Existem 3 graus de entorse. No grau 1, temos estiramento leve dos ligamentos, o que pode gerar um pouco de dificuldade para andar, dor local e inchaço.

No grau 2, verifica-se ruptura parcial dos ligamentos. A movimentação torna-se ainda mais difícil e a dor aumenta.

No grau 3, a dor é forte, costuma impedir que o paciente coloque o pé no chão e gera instabilidade. Os ligamentos, nesse caso, sofrem ruptura total.

A depender da severidade da lesão, o paciente pode precisar de ajuda emergencial — e certamente precisará do auxílio de terceiros para ser levado ao hospital.

Os primeiros cuidados envolvem não forçar o pé no chão, para evitar que a lesão piore, aplicação de gelo e, claro, levar o quadro à atenção de uma equipe responsável.

O ideal é que o paciente encaminhe-se diretamente para o setor de emergência, uma vez que pode ser necessário imobilizar o pé e entrar com medicação.

É comum, vale salientar, que o especialista solicite alguns exames de imagem, apenas para verificar se houve fraturas.

Por quanto tempo terei que tratar uma entorse do tornozelo?

O tipo e a duração do tratamento variam de acordo com a intensidade da lesão sofrida.

É normal que o paciente seja afastado das atividades cotidianas por pelo menos 1 semana e que precise ficar em repouso, com o pé imobilizado.

Atividades físicas que envolvam os pés estão vetadas, assim como pressionar a lesão no chão. Tais circunstâncias, além de dolorosas, podem piorar o problema existente.

Aplicar compressas de gelo ajuda a diminuir o inchaço. Botas ortopédicas também auxiliam a manter o pé imobilizado e a não forçar a entorse.

Medicamentos para dor, assim como anti-inflamatórios, também costumam ser receitados.

É primordial seguir as instruções do médico durante todo o tratamento.

Se a entorse do tornozelo não for tratada corretamente, como já comentamos, pode afetar permanentemente a qualidade de vida de uma pessoa.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Tendinite no punho: sintomas, causas e tratamentos

Tendinite no punho: sintomas, causas e tratamentos

A tendinite no punho é dos problemas mais comuns entre trabalhadores de escritório, músicos, operários e indivíduos que atuam com movimentos repetitivos e desgastantes.

Dada a recorrência desse problema em pessoas que vivenciam as situações acima, ele é considerado uma lesão por esforço repetitivo (LER) e um dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort) mais comuns.

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre os sintomas de tendinite no punho, explicando também quais são as doenças mais comuns associadas ao problema e os possíveis tratamentos para o quadro. Confira!

Tendinite no punho e tenossinovite: entenda a diferença

A tendinite é, como o próprio nome sugere, a inflamação dos tendões.

Por outro lado, a tenossinovite, que também é bastante recorrente, é uma inflamação da membrana que recobre o tendão.

Em muitos casos, os pacientes apresentam ambos os problemas. Talvez provavelmente por isso, os sintomas também acabam se confundindo bastante.

Tenossinovite de De quervain: enfermidade popular

Caracterizada por uma inflamação da bainha sinovial do abdutor longo e do extensor curto do dedo polegar, é uma das maiores causas de dor na região dos pulsos.

Também está relacionada ao excesso de esforço repetitivo, o que a encaixa no grupo das doenças osteomusculares relacionadas às atividades laborais.

Quando a dor no pulso vira um problema?

Na verdade, o 1º indício de que algo foge à normalidade é a presença de dor constante nas articulações. Dores passageiras e espaçadas podem não ser preocupantes. 

Quando o incômodo é forte e diário, no entanto, a situação precisa ser levada ao conhecimento de um médico.

Outros sintomas que devem ser observados incluem:

  • inchaço, com sensibilidade ao toque, da região atingida pela inflamação;
  • sensação de “choque” durante a movimentação do punho;
  • calor na região do punho.

Diagnóstico e tratamento da tendinite no punho

A suspeita de inflamação nos tendões costuma ser levantada logo após a avaliação clínica e o estudo do histórico e da rotina do paciente.

Para confirmar o quadro e verificar a existência de outras complicações, o especialista pode solicitar alguns exames de imagem.

Os mais comuns são o exame de ultrassom, a ressonância magnética e o exame de raio-x.

Após a confirmação do diagnóstico, dá-se início ao tratamento.

Em geral, as primeiras tentativas de abrandar a inflamação e aliviar a dor são tradicionais. 

Não é comum que o médico indique cirurgia como 1ª opção, a menos que o caso seja muito severo, existam fraturas, etc.

Alguns dos métodos de tratamento convencionais são:

  • aplicação de gelo na área de inflamação, como forma de diminuir a inflamação, estimular o fluxo sanguíneo e aliviar a dor local;
  • imobilização do punho atingido, como forma de manter o tendão imóvel e descansá-lo;
  • afastamento do trabalho por alguns dias ou semanas, para que o paciente possa se recuperar e não precise incorrer na movimentação cotidiana;
  • utilização de anti-inflamatórios, com o intuito de diminuir a tendinite e a dor;
  • fisioterapia, para aliviar a condição e devolver ao paciente qualidade de vida e tranquilidade.

A infiltração, método de tratamento que consiste em injetar cortisona no punho atingido, pode ser recomendada.

É um método seguro, mas muitos especialistas preferem utilizá-lo apenas após a tentativa de tratamento conservador para a tendinite no punho.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
O que é pulso aberto?

O que é pulso aberto?

Quando falamos sobre “pulso aberto”, estamos nos referindo a um sintoma, e não a uma doença específica. Em síntese, o termo descreve dores associadas aos punhos. 

Por certo, algumas pessoas podem manifestar também outros sintomas, como perda de força nas mãos, rigidez articular, inchaço e alterações na sensibilidade.

As causas mais comuns para essa condição são:

  • fraturas;
  • cistos sinoviais;
  • torções ou traumas na região dos pulsos;
  • esforço repetitivo;
  • tendinites.

A doença de kienbock também pode causar dor nos pulsos.

Causas de pulso aberto

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre os problemas citados anteriormente. Confira.

Fraturas

Pessoas que tiveram fraturas na região dos punhos podem apresentar, mesmo depois da cicatrização, fisgadas, inchaço e dores na região.

Assim, o ideal é retornar às atividades cotidianas aos poucos, apenas depois da liberação médica.

Cistos sinoviais

Tratam-se de bolsas que apresentam acúmulo de líquido sinovial, composto existente nas articulações e que auxilia na lubrificação das mesmas.

Os cistos sinoviais tendem a aparecer em articulações que estão frequentemente em uso, como, inegavelmente, é o caso do pulso. 

Em geral, estão relacionados sobretudo a traumas, movimentos exacerbados e a esforço repetitivo. 

Por isso, são incômodos comuns em trabalhadores de escritório, atletas e operários.

Esforço repetitivo

Lesões por esforço repetitivo têm sido muito comuns, sobretudo nos últimos anos, com a utilização massiva de dispositivos móveis e computadores.

Ainda assim, a tecnologia não é a única responsável pelo desenvolvimento de problemas dessa sorte.

Pessoas que tocam instrumentos musicais por muitas horas, diariamente, que dirigem profissionalmente ou que costuram também estão mais suscetíveis a lesões por esforço repetitivo.

Tendinites

Tendinites são inflamações que ocorrem no tendão, estrutura responsável por unir o músculo ao osso.

Também são causadas por esforço repetitivo, sobrecarga e postura inadequada, mas podem estar relacionadas a questões de idade, estresse, atividade física excessiva ou incorreta e problemas de saúde diversos.

Sabe-se que indivíduos com enfermidades que enfraquecem o sistema imunológico ou possuem doenças autoimunes estão mais propensos a desenvolver inflamações diversas.

Síndrome do túnel do carpo

Neuropatia causada pela compressão do nervo mediano no canal do carpo, localizado entre a mão e o antebraço, é causada principalmente por esforço repetitivo.

Pessoas com artrite reumatoide, tumores e alterações hormonais severas também estão no grupo de risco.

Causa sensação de formigamento, perda de sensação e dificuldade para executar tarefas cotidianas.

Tendinite de De quervain

Também chamada de tenossinovite, é uma inflamação que atinge os tendões que ligam o punho ao polegar.

Fraturas, traumas, esforço repetitivo, sobrecarga, problemas de postura, artrite reumatoide e doenças autoimunes podem facilitar o aparecimento da tendinite de de quervain.

Doença de kienbock

Condição um tanto quanto rara, é caracterizada pela ausência de irrigação sanguínea no osso semilunar, que faz parte do punho.

O osso em questão começa a apresentar problemas e a se necrosar. 

Inchaço, dor ao toque, sensibilidade e febre podem acompanhar a doença, que frequentemente exige cirurgia de remoção do osso necrosado.

Essas são apenas algumas das enfermidades que podem causar o que chamamos de pulso aberto. Apenas um médico pode fornecer um diagnóstico preciso acerca do problema apresentado e indicar formas corretas de tratamento.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Osteomielite: conheça 4 fatores de risco

Osteomielite: conheça 4 fatores de risco



Em resumo, chamamos de osteomielite uma infecção óssea que pode ser causada por fungos, bactérias ou micobactérias.

Em boa parte dos casos clínicos, o agente responsável pela enfermidade é a Staphylococcus aureus, uma bactéria que tem a capacidade de instalar-se nas fossas nasais sem causar danos ou sintomas significativos.

A infecção ocorre apenas quando há penetração da bactéria no corpo do indivíduo, por meio de lesões na pele ou através da ingestão de produtos ou alimentos contaminados.

Os agentes infecciosos podem, a partir daí, atingir a corrente sanguínea. A infecção de órgãos e ossos pode ocorrer, gerando uma série de quadros complexos — que podem, inclusive, provocar necrose de tecidos e ossos.

A osteomielite é mais comum em crianças ou idosos, uma vez que ambos os grupos possuem um sistema imunológico mais frágil. 

Isso não impede, no entanto, que adolescentes e adultos sejam afetados pelo problema.

Causas da osteomielite

A infecção óssea pode ocorrer a partir de invasão direta, como no caso de cirurgias ou fraturas expostas, inflamação nos tecidos moles ou por meio da corrente sanguínea.

A redução no fornecimento de sangue, a existência de úlceras de decúbito e feridas diabéticas nas extremidades do corpo também podem engatilhar a situação.

Sintomas da osteomielite

A depender do estágio e do tipo de enfermidade, os pacientes podem manifestar:

  • dores na região do osso atingido;
  • inchaço;
  • perda de peso;
  • fadiga;
  • dificuldade de locomoção;
  • vermelhidão e quentura no osso infectado;
  • febre;
  • dores nas costas;
  • sensibilidade ao toque;
  • presença de pus, normalmente quando tecidos moles estão infeccionados.

Se o problema não for tratado, pode se tornar crônico. 

4 fatores de risco para a osteomielite

Como já comentamos no início deste artigo, crianças e pessoas acima dos 60 anos estão mais suscetíveis a desenvolver a enfermidade.

Outros fatores de risco serão listados a seguir.

Pacientes que tiveram fratura exposta

Normalmente, as fraturas expostas ocorrem em acidentes violentos ou durante a prática de atividades de impacto.

Além de facilitar o contato com possíveis agentes patogênicos do ambiente, a fratura pode facilitar o deslocamento de bactérias perigosas — as quais, como já comentamos, podem estar presentes na pele, de forma assintomática.

Diabetes

Pessoas com diabetes mal controlada tendem a desenvolver chagas e úlceras profundas nos pés. Uma vez que o diabetes é uma doença progressiva e com grandes efeitos sobre o organismo, a cicatrização dos pacientes é bastante complicada.

A maior parte dos indivíduos que passam por amputações por conta do diabetes teve, primeiramente, úlceras localizadas.

A inflamação óssea, em pés diabéticos, pode ser bastante visível: a exposição de ossos e o inchaço, às vezes, denunciam o quadro. Em outras ocasiões, pode ser necessário fazer uma radiografia ou uma ressonância magnética.

HIV

Pacientes soropositivos estão mais propensos a desenvolver problemas de saúde, já que o HIV, mesmo sob controle, faz com que o sistema imunológico fique frágil.

Dentre as enfermidades que podem atingir soropositivos com mais frequência, estão a síndrome de reiter, a artrite psoriática e a doença-tema deste artigo.

Câncer

Pessoas que fizeram ou estão em tratamento oncológico também têm dificuldades com a imunidade. 

Assim, durante a quimioterapia ou a radioterapia ou após cirurgias de remoção de tumores, esses indivíduos podem estar mais propensos ao desenvolvimento de osteomielite.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!



Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
Doença de charcot-marie-tooth: sintomas e tratamentos

Doença de charcot-marie-tooth: sintomas e tratamentos



Doença de charcot-marie-tooth: você já ouviu falar dessa enfermidade? Trata-se de uma neuropatia hereditária, que, como resultado, faz com que os músculos da parte inferior das pernas se enfraqueçam e atrofiem.

Em geral, é herdada como uma característica autossômica dominante: ou seja, é necessário que apenas um dos pais transmita o gene para propiciar o desenvolvimento da neuropatia.

De caráter progressivo, essa é uma doença rara e que pode atingir pessoas durante a infância ou no decorrer da vida.

Infelizmente, ainda não é possível conter a evolução do quadro. 

No entanto, a prática de fisioterapia, a utilização correta de remédios, o estímulo à sociabilidade e a realização de atividades físicas podem colaborar para que o paciente tenha melhor qualidade de vida.

Quais são os sintomas da doença de charcot-marie-tooth ?

Como já comentamos, os sintomas podem ocorrer em crianças e em indivíduos mais velhos. Em geral, entretanto, a maior parte dos pacientes manifesta sintomas claros antes da idade adulta.

O primeiro indício da presença da doença de charcot-marie-tooth é a fraqueza, que atinge a parte inferior das pernas e provoca. Além disso, falta de equilíbrio e incapacidade de fletir o tornozelo também podem ocorrer.

Outros sintomas incluem:

  • atrofia nos músculos das mãos;
  • perda de sensação nos membros inferiores e superiores;
  • arcos plantares pronunciados;
  • cãibras musculares;
  • torções ou fraturas na região do tornozelo;
  • dificuldade motora, que pode incluir incapacidade de escrever, manipular objetos, dentre outras coisas;
  • escoliose;
  • desenvolvimento lento da capacidade motora durante a infância (com problemas para aprender a andar).

É uma doença que tende a ser mais severa nos indivíduos do sexo masculino. As mulheres costumam ter sintomas mais brandos.

Diagnóstico e tratamento

Além da análise clínica, que leva em consideração o histórico do paciente e os sintomas que ele tem apresentado, é natural que o indivíduo seja submetido a alguns exames.

A eletromiografia e os estudos de condução nervosa auxiliam no diagnóstico da doença.

O tratamento não visa à cura dessa enfermidade, mas a melhores condições de vida ao paciente, as quais podem ser conseguidas por meio de terapias e técnicas que objetivam estimular a melhora da coordenação motora e da mobilidade.

O tratamento também deve visar à proteção do indivíduo contra acidentes e lesões, uma vez que ele está mais suscetível a quedas, entorses e fraturas que os demais.

Recomenda-se aos pacientes que:

  • façam terapia ocupacional. Essa área da saúde é bastante útil não apenas para quem está em busca de reabilitação física, mas também para quem precisa de suporte mental e afetivo para uma série de enfermidades;
  • dediquem-se a fazer atividade física moderada, como forma de manter o corpo mais resistente;
  • utilizem sapatos para a correção de deformidades;
  • mantenham rotina de cuidados com os pés, para evitar que as unhas se encravem e que surjam escaras;
  • utilizem reforços na parte inferior das pernas, para que haja mais equilíbrio e mais facilidade para desempenhar funções cotidianas.

Em alguns casos, pode ser necessário submeter o indivíduo afetado pela doença de charcot-marie-tooth a 1 ou mais cirurgias ortopédicas.

É possível prevenir?

Como trata-se de uma doença hereditária, não é possível fazer a prevenção dessa enfermidade.

A única forma de avaliar a probabilidade de transmitir o gene da doença de charcot-marie-tooth aos filhos é por meio de aconselhamento genético.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!



Posted by Dr. Henrique Rios in Todos