bursite

9 mitos e verdades sobre a bursite

A bursite é um problema comum, que apesar de não haver dados concretos, afeta milhares de pessoas. Ela está associada à prática de atividades repetitivas e movimentos realizados de maneira equivocada. Portanto, está ligada, também, ao frequente uso de computadores e smartphones.

Além de pessoas que trabalham em escritórios, ela tende a acometer também atletas e professores. Caracterizada pela inflamação das bursas, bolsas sinoviais presentes ao redor da articulação, a bursite pode provocar muita dor, vermelhidão e inchaço, além de limitar o movimento do membro acometido. 

Por estar localizada entre as articulações, ela é muito confundida com a tendinite e a artrite. Veja, então, quais são os mitos e as verdades acerca deste tema.

1# Os ombros são os mais afetados pela bursite

Verdade. Os ombros são os mais afetados pela inflamação das bursas. Isso acontece porque, nessa articulação, existe uma quantidade maior de bursas. No entanto, cotovelos, quadris e joelhos também estão entre as áreas mais afetadas pela patologia.

2# Movimentos repetitivos são a principal causa da bursite

Verdade. A inflamação das bursas é uma Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Mas, ela pode ser provocada, também, por traumas, posição errada, condições reumáticas, metabólicas, infecciosas, e mesmo sem causa específica, considerada idiopática

3# A dor é o único sintoma da inflamação

Mito. Além da dor, a inflamação das bursas pode provocar dor, rigidez, inchaço, vermelhidão, calor e sensibilidade na região.

4# O diagnóstico é feito apenas pelo exame clínico

Mito. Para fazer o diagnóstico da inflamação das bursas, o médico verifica, também, o histórico do paciente. Além disso, alguns exames de imagem podem ser utilizados, como o raio-x, para verificar se há alguma alteração óssea.

Outros exames utilizados são a ultrassonografia e a ressonância magnética, que têm o objetivo de analisar a inflamação da região, mostrando, dessa maneira, o local e o tamanho da lesão. 

5# Não existe tratamento para a bursite

Mito. O tratamento para a bursite inclui o uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, bem como de compressas de gelo para controlar a dor e reduzir a inflamação. Além disso, a fisioterapia auxilia na recuperação dos movimentos.

Em casos avançados, pode-se recomendar o uso de antibióticos, injeções ou drenagem cirúrgica, para a retirada do líquido inflamatório. É importante que haja uma conscientização do paciente para que ele tenha ciência de combater os hábitos que deram origem à crise.

6# Bursite e tendinite são a mesma coisa

Mito. Apesar de terem sintomas semelhantes e estarem localizadas em regiões muito próximas, as doenças são distintas. A bursite é caracterizada pela inflamação das bursas, que são bolsas sinoviais. Elas estão localizadas ao redor das articulações e servem para amortecer o atrito entre os músculos, os tendões e os ossos. Já a tendinite é a inflamação de um tendão. 

7# A bursite causa deformidade?

Mito. A inflamação das bursas provoca apenas dor, inchaço e vermelhidão. A deformidade dos membros é causada pela artrite.

8# A bursite tem cura

Verdade. A inflamação das bursas é temporária. No entanto, há casos crônicos em que as crises são tratáveis.

9# O tratamento deve ser feito logo no início da crise

Verdade. Bursites devem ser tratadas logo nos estágios iniciais da doença, assim, evita-se que o problema se torne crônico e de difícil resolução. Dentre as consequências da inflamação sem tratamento estão o enrijecimento.

Essa complicação é provocada pela calcificação e pela dificuldade em se proteger a região. Além disso, nos casos em que as bursas estejam infectadas, as bactérias podem se espalhar pela articulação e, com isso, elas podem atingir a corrente sanguínea, provocando doenças graves.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Comentários
Avatar

Posted by Dr. Henrique Rios