cirurgia de fusão espinhal

Cirurgia de fusão espinhal: quando ela é indicada?

Uma das queixas mais comuns nos consultórios médicos é a dor na coluna, um sintoma que pode ser causado por diferentes fatores. Em casos graves, a cirurgia de fusão espinhal pode ser a única alternativa eficaz de tratamento.

Você conhece este procedimento? Sabe quando é indicado? Então, recomendamos a leitura imediata deste post.

O que é a cirurgia de fusão espinhal?

Trata-se de uma intervenção cirúrgica realizado para fundir duas ou mais vértebras. O objetivo do procedimento é eliminar os movimentos entre essas estruturas e, consequentemente, aliviar a dor sentida pelo paciente.

Também chamada de artrodese da coluna, a cirurgia faz uma espécie de “solda” nas vértebras. Por meio da técnica, é realizada uma conexão óssea direta com o disco vertebral. Por ser complexa e limitar os movimentos do paciente, a fusão espinhal é vista como último recurso.

Quando a cirurgia é indicada?

Na maioria dos casos, o profissional de saúde recomenda a artrodese da coluna nos casos em que há a necessidade de melhorar a sua estabilidade, corrigir alguma deformidade ou reduzir a dor. As condições que provocam estes sintomas são:

  • fratura vertebral em função de um trauma, mas apenas quando deixa a coluna instável;
  • curvatura lateral da coluna (escoliose);
  • arredondamento anormal da parte superior da coluna (cifose);
  • fraqueza ou instabilidade em razão de um movimento anormal ou excessivo entre duas vértebras, que pode ser causado por uma artrite severa;
  • espondilolistese, quando causa dor intensa nas costas ou apinhamento nervoso, que deixa as pernas dormentes;
  • hérnia de disco, sendo uma forma de estabilizar a coluna após a eliminação do problema;
  • doença degenerativa do disco;
  • estenose espinal;
  • infecção;
  • tumor.

Como é feita a cirurgia de fusão espinhal?

Com a evolução da medicina, surgiram novos métodos de execução da cirurgia de fusão espinhal, que são utilizados de acordo com a localização das vértebras a serem fundidas e do motivo dela.

Ainda, as abordagens mais comuns são pela frente, pelas costas ou pela lateral. Independente da forma escolhida para o acesso a espinha, a fusão é realizada por meio da inserção de enxerto ósseo.

Trata-se de um material que atua como um estimulante para a cicatrização e a produção dos ossos. Atualmente, os enxertos podem ser matrizes ósseas desmineralizadas, proteínas morfogenéticas do osso ou de cerâmica.

Normalmente, após a cirurgia, a coluna do paciente é imobilizada para que as vértebras permaneçam juntas. Para isso, o profissional de saúde pode usar placas, parafusos e hastes.

Quais são as possíveis complicações após a cirurgia?

Embora não seja positivo, os riscos de complicações cirúrgicas existem para qualquer tipo de procedimento. No caso da fusão espinhal, eles são:

  • infecção;
  • pseudoartrose;
  • dor na região do enxerto;
  • manutenção dos sintomas que existiam antes da cirurgia;
  • dano nos nervos ou nos vasos sanguíneos;
  • formação de coágulos de sangue nas pernas.

Ainda, a melhor forma de evitar o risco  é seguindo atentamente todas as orientações da equipe médica durante o pós-operatório. Além disso, sinais de inchaço, vermelhidão ou dor nos membros inferiores indicam a necessidade de retornar ao cirurgião responsável.

Gostou do nosso conteúdo? Entendeu tudo sobre a cirurgia de fusão espinhal? Neste blog, você vai encontrar diversos posts sobre os assuntos mais variados.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Comentários
Avatar

Posted by Dr. Henrique Rios