displasia no quadril

Displasia no quadril: causas e tratamentos

Displasia no quadril: causas e tratamentos

A displasia no quadril é uma patologia congênita que precisa ser observada e tratada de forma mais breve possível. Quando há um diagnóstico tardio, os tratamentos são mais complexos e os riscos para o paciente são maiores.

Nunca havia lido sobre esse problema? Pois é, muitos não conhecem a displasia. Para combater a desinformação e fazer com que você entenda mais sobre essa patologia, preparei esse texto sobre o assunto.

O que é displasia no quadril?

A displasia do desenvolvimento do quadril (DDQ) ou luxação congênita, como é conhecida, é uma enfermidade que afeta aos recém-nascidos e ocasionada por uma má formação das estruturas ósseas.

Ela se caracteriza pela perda do contato da cabeça do fêmur com o acetábulo durante o parto do bebê. Essa má formação prejudica a estabilidade das articulações e pode parecer que o quadril do indivíduo está “solto” (displásico).

Esse problema ocorre em um a cada 60 nascimentos, sendo mais recorrente em meninas de cor branca. Outros fatores de risco são o histórico familiar, malformações na coluna ou nos pés do bebê ou se for o primeiro parto da mãe.

Quais são as causas da alteração óssea?

As causas da displasia no quadril ainda não são conhecidas. O que já se comprovou em estudos é que os bebês que permanecem sentados durante toda a gestação são os mais propensos ao distúrbio. Outra possibilidade de causa são os fatores hereditários.

Quando não há o diagnóstico precoce, as crianças podem apresentar uma marcha incorreta ao andar em razão da limitação de movimentos ocasionada pelo quadril deslocado. A luxação congênita pode ser típica ou teratológica. 

O tipo típica é decorrente de uma frouxidão que ocorre no parto e, por isso, é mais comum em bebês de mães que realizaram o primeiro parto. Já a luxação teratológica ocorre ainda dentro do útero, nos primeiros meses de vida intrauterina do bebê. 

Quais são os tratamentos?

A fisioterapia é um dos melhores tratamentos para a DDQ, pois auxilia na melhora da funcionalidade e da qualidade de vida do paciente. O tratamento se inicia com a isometria dos músculos inferiores e do tronco. Posteriormente, são realizadas mobilizações combinadas com fortalecimento muscular e reeducação da marcha.

O treinamento de marcha é realizado com os membros inferiores alinhados. O fortalecimento muscular melhora a biomecânica do corpo. Além disso, a fisioterapia também pode ser realizada no pós-operatório com o objetivo de recuperar as funções do quadril e prevenir novos distúrbios e lesões.

Quando a patologia é descoberta logo após o nascimento, o bebê pode iniciar o tratamento com suspensório de Pavlik pelo período de três a seis meses. Caso o diagnóstico seja mais tardio, a opção será a colocação de um gesso que vai do tórax até os pés.

Se a displasia for percebida quando a criança já começou a andar, o tratamento mais adequado será a cirurgia que pode ser uma osteotomia pélvica ou uma artroplastia total de quadril. 

Quando o diagnóstico é confirmado após alguns anos de idade, apenas a cirurgia pode ser eficiente. Contudo, existem o risco de complicações. Uma perna pode ficar maior do que a outra e pode ocorrer o desenvolvimento de artrose no quadril.

Por isso, para evitar a displasia no quadril é importante estar atento aos exames de pré-natal e manter o acompanhamento médico.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos
O que é displasia no quadril da criança ou adolescente?

O que é displasia no quadril da criança ou adolescente?

A luxação congênita ou displasia no quadril é uma doença que deve ser diagnosticada e tratada o mais breve possível. Crianças e adolescentes que sofrem com esse distúrbio enfrentam diversas dificuldades em sua rotina.

O que é displasia no quadril?

A displasia do desenvolvimento do quadril (DDQ), como é conhecida, é uma patologia adquirida ainda na fase intra-uterina, durante a gestação. Ela se caracteriza pela má formação óssea, quando não há o contato da cabeça do fêmur com o acetábulo.

Essa má formação afeta a estabilidade das articulações e pode parecer que o quadril do indivíduo está “solto” (displásico).

É um distúrbio que pode ser considerado comum, pois ocorre em um a cada 60 nascimentos. Os principais fatores de risco são o histórico familiar, bebês do sexo feminino, malformações na coluna ou nos pés do bebê, cor branca ou primeiro parto da mãe.

Como a displasia afeta a vida da criança ou do adolescente?

A dificuldade que mais afeta a autoestima da criança ou do adolescente é a limitação de movimentos dos membros inferiores ao andar. A característica mais comum de pacientes de displasia são os episódios de claudicação (mancar) que ocorrem, principalmente, nos momentos de dor.

Além disso, a dor crônica também é um obstáculo a ser enfrentado. Ela pode ser maior quando o paciente realiza um esforço excessivo, como uma caminhada longa, ou por permanecer muito tempo sentado.

Quais são as causas do distúrbio?

Existem diversas doenças que podem causar anomalias no quadril, as principais são a DDQ, a epifisiólise, a doença de Legg-Calvé-Perthes e as sequelas pós-infecciosas (artrite séptica). Para obter o diagnóstico correto, é importante conhecer o histórico familiar no que se refere às patologias.

Ainda não há uma comprovação da causa original da displasia, mas já se sabe que os bebês que permanecem sentados dentro do útero durante toda a gestação estão mais propensos ao distúrbio. Outra hipótese aceita na comunidade médica é a hereditariedade.

Quais são os tratamentos?

O tratamento consiste em atrasar ou prevenir a osteoartrite, mantendo a articulação do quadril natural durante o maior tempo possível. Quando a patologia é descoberta logo após o nascimento, o bebê pode iniciar o tratamento com suspensório de Pavlik, ou, se for confirmado um pouco mais tarde, a colocação de gesso é uma alternativa.

Quando o quadro é considerado leve, pode ser recomendado apenas o monitoramento da condição do quadril. Para quadros moderados, além do uso de anti-inflamatórios não esteroides para aliviar a dor, a fisioterapia também é indicada.

O tratamento cirúrgico é considerado nos casos mais graves da doença, quando o paciente já está sofrendo com dor aguda em razão dos danos causados à cartilagem articular. A cirurgia mais realizada é a osteotomia que é um “corte no osso” para que o acetábulo ou o fêmur sejam redimensionados. 

Outra possibilidade cirúrgica é a artroscopia, que consiste na inserção de uma câmera na articulação para realizar a reparação de uma estrutura fibrocartilaginosa chamada de labrum.

Para evitar a displasia no quadril da criança ou do adolescente é importante estar atento aos exames de pré-natal e manter o acompanhamento médico.Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Luís!

Posted by Dr. Henrique Rios in Todos